A relação entre a gestão emocional e o Burnout

Após a vivência de anos atípicos, cada vez mais se tem falado sobre o problema do burnout nas empresas. A pandemia causada pela COVID-19 ressaltou distúrbios mentais entre os quais a ansiedade, depressão e o burnout nos(as) trabalhadores(as).

O burnout ou síndrome de esgotamento profissional é um distúrbio resultante de condições de trabalho desgastantes, da acumulação de excesso de trabalho e da má gestão emocional no dia-a-dia de trabalho por parte dos(as) profissionais.

Dar a conhecer estratégias de prevenção do stress emocional é essencial para melhorar a qualidade de vida dos(as) trabalhadores(as).

 

O que deve ser feito por parte das empresas?

  1. Desmistificar o problema

São muitos os(as) profissionais que se sentem com baixa produtividade e desmotivados, e podem estar a passar, sem saber, por uma fase de burnout. Apesar das questões de saúde mental serem cada vez mais abordadas, ainda existe algum “tabu” relativamente ao tema. É importante deixar os(as) profissionais à vontade para que possam expressar as suas emoções e para que possam ser encontradas possíveis soluções para o problema.

  1. Dizer “não” ao excesso de trabalho

Após a pandemia resultante da COVID-19, cada vez mais as empresas adotaram o regime de teletrabalho, o que ajuda a estabelecer um equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. Há que respeitar e manter o horário laboral, e saber também parar para descansar, sendo que o descanso é extramente importante para manter a produtividade e bem-estar.

  1. Formação

Oferecer formação sobre temas da saúde mental ajuda os(as) trabalhadores(as) a encontrarem ferramentas que possam aplicar diariamente no trabalho, para se sentirem satisfeitos e melhorarem continuamente os seus resultados.

 

Neste sentido, a MWL apresenta o Curso Gestão das Emoções, com o intuito de oferecer conhecimentos e ferramentas aos(às) formandos(as) que lhes permitam gerir melhor as emoções, e lidar da melhor forma com situações mais difíceis que possam surgir em contexto de trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *